25 de fevereiro de 2010

Se não os podes vencer


Enquanto conversava com a Teresa sobre o facto do meu hall de entrada ser o cúmulo do kitsch, ao ponto de lhe chamar o meu hall of shame, com o candeeiro de tecto mais pavoroso da história das coisas pavorosas, dizia-lhe que após ter-me mentalizado que não havia nada a fazer relativamente ao chão de linóleo aos quadrados pretos e brancos, à parede vermelho velho de um lado e beije do outro, e, nunca é de mais referir, ao candeeiro, tinha finalmente tido uma ideia brilhante, que a Teresa adivinhou imediatamente, e que pronunciámos em simultâneo: "se não os podes vencer, junta-te a eles".
E foi assim que decidi tornar o hall definitiva e propositadamente kitsch.
Como? Assim:


Adenda: por sugestão da Teresa, que eu achei genial, por acaso ninguém tem um menino da lágrima que me queira enviar para pôr no hall também?

16 comentários:

  1. Desculpa, a tua descrição não me preparou para o candeeiro. Murano meets Massamá.
    O que arranjaste não está à altura. É como misturar a graça (no sentido grego) alegre de Fragonard com Quim Barreiros.

    Urge encontrar-te um quadro do menino com a lágrima. Isso, sim, estará à altura. Loool!

    ResponderEliminar
  2. E um galo de barcelos que muda de cor e uma N S de Fátima flurescente.

    (um Sagrado Coração de Jesus luminoso também era capaz de resultar bem e fugia ao tema da Portugalidade)

    ResponderEliminar
  3. Pronto, até eu tenho limites e santinhos são os meus. Mas galos de barcelos ainda vá.

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que a minha mãe tinha um. Esse ou uma senhora que lê um livro. Este fim de semana vou a casa e logo procuro.

    beijo

    ResponderEliminar
  5. o candeeiro é tão mau tão mau que acho que até gosto...mas também pode ser do sono e mau humor ou da alergia ao minimalismo. Vou ver se te arranjo um menino da lágrima;)

    ResponderEliminar
  6. Raspa: exacto, é daquelas coisas que primeiro se estranha mas depois se entranha. E entrar nesta casa sem o ver já não seria a mesma coisa.

    ResponderEliminar
  7. Como dizer, o teu candeeiro é...especial;)

    ResponderEliminar
  8. Esse candeeiro é o cúmulo! Jasus, nunca tinha visto uma coisa tão... pitoresca.

    Quanto ao menino da lágrima, aproveita um sábado de manhã em que estejas por cá e dá um pulo à Feira da Ladra. Acho que não vais ter dificuldade em arranjar o The One ou uma das muitas variações que sobre o tema artistas incompreendidos e não reconhecidos ('tá mal) já fizeram.

    ResponderEliminar
  9. Queixava-me eu do meu lavatorio no quarto!!!Mas o candeeiro e genial!

    ResponderEliminar
  10. Queixava-me eu do meu lavatorio no quarto!!!Mas o candeeiro e genial!

    ResponderEliminar
  11. Pronto....insónia garantida durante os próximos 4 dias...Obrigado Luna, por me fazeres ter medo de adormecer e sonhar com isto... :D

    ResponderEliminar
  12. Ola! É a primeira vez que te "comento" e tinha de o fazer.
    Não sei se o candeeiro pertence ao teu senhorio ou não, mas devo dizer-te que é antigo e vale uma nota preta.
    A minha sogra tem um igual-muito lindo, sem dúvida- e um antiquário já o quis levar.

    ResponderEliminar
  13. Luna,
    Não resisto a dar-lhe uma sugestão para o seu hall, a propósito do do seu post: uma tela grande minimalista, com motivos geométricos, com toque "industrial" (sem moldura, claro). Algo que faça o contraste com o antigo kitsch do candeeiro e fique em harmonia com o chão.
    Tarefa difícil...gostava de saber como vai ficar :0)
    Tudo de bom!

    ResponderEliminar
  14. O Candeeiro é lindíssimo. Precisa de decoração adequada.

    ResponderEliminar