25 de março de 2010

in Atheist Cartoons (via James)

23 comentários:

  1. muuuuuuuuuito bom!!!
    Beijinhos!!!

    ResponderEliminar
  2. Maravilhoso! Lindo, acho que vou roubar (com sua licença, claro)

    ResponderEliminar
  3. A conquista do mundo pela calada...

    ResponderEliminar
  4. Uns sonsos... essa é que é essa.

    ResponderEliminar
  5. mais um fantástico.... adoro!!!! :)

    desculpa mas já roubei... :P
    com sua licença sim??? =D
    thanks!

    ResponderEliminar
  6. Muito texto, mais imagem, rara luz
    Espasmos em lugar de reflexões
    Ciência mal colada não seduz
    Ou queixumes vãos ou falsos sermões;
    Nem mal nem remédio, apenas pus
    De um espírito cheio de infecções.
    “Horas perdidas”... Mais horas se deve
    A quem lê lixo do que a quem escreve.

    ResponderEliminar
  7. Oh, temos um poeta! Lindo...

    ResponderEliminar
  8. Ahahah o teu blog inspirou-o, o que queres...

    ResponderEliminar
  9. Bem, Luna, estás a ficar cheia de fãs!!!
    Só uma mulher como tu consegue desencadear tamanhas paixões.

    Beijo

    ResponderEliminar
  10. o que eu ja me ri!!!
    De facto.... muito suspeitos os atheists!

    ResponderEliminar
  11. Em resposta à parte "“Horas perdidas”... Mais horas se deve
    A quem lê lixo do que a quem escreve.", aqui vai:



    Tintoretto, tintoretto
    em vez de perdidas horas por aqui
    talvez se te esborratasses a preto
    ou te fosses encher de moscas para ali


    oh, ali! Busca! ---->

    ResponderEliminar
  12. Lampada mervelha: conquistaste-me com essa tua rima! Lol!!

    ResponderEliminar
  13. In a nutshell....they didn't/don't do shit........huh!

    ResponderEliminar
  14. Tintoretto/mervelha

    a classe, versus a boçalidade.

    Aquele abraço,

    ResponderEliminar
  15. Homem, nem classe e muito menos boçal. Esmera-te.

    ResponderEliminar
  16. O senhor Homem tem uma percepção de classe ligeiramente diferente do resto das pessoas, sendo que esta abrange a ofensa gratuita a pessoas que não se conhece de lado nenhum sem provocação prévia, especialmente incluindo a palavra pus.
    Algo que, sei lá, se está mesmo a ver a Rania da Jordânia a fazer, por exemplo.

    ResponderEliminar
  17. falou em ofensa gratuita, doce Luna? :)

    Aquele abraço,

    ResponderEliminar
  18. sem (múltiplas e contínuas) provocações prévias.

    ResponderEliminar
  19. gratuito (u-i)
    (latim gratuitus, -a, -um, dado ou recebido de graça)
    adj.
    adj.
    1. Feito, dado de graça.
    2. Desinteressado.
    3. Espontâneo.
    4. Que não tem fundamento.

    Creio que nenhuma das minhas referências à sua pessoa foram feitas espontaneamente ou sem fundamento. Foram respostas a provocações intencionais. Daí não se poderem considerar gratuitas.

    ResponderEliminar
  20. Luna,

    Para ti, minha filha, aquela abraço. :D

    ResponderEliminar