17 de junho de 2010

Coisas que deixam um rato de laboratório à beira de um ataque de nervos

Tentar reproduzir um protocolo não sei quantas vezes e não resultar. Refazer as soluções e os tampões todos e continuar a não resultar. Ir chatear o colega mais experiente que criou o protocolo para ajudar, e não resultar. Fazer o colega mais experiente repetir ele mesmo o protocolo que criou e com o qual se fartou de publicar, utilizando as suas soluções e reagentes, e mesmo assim não resultar.

Isto é ciência caraças, é suposto ser reprodutível.

33 comentários:

  1. E já sabes que quem ler só o título vai começar com o "ai tadinhos dos ratinhos"...

    ResponderEliminar
  2. sei tão bem o que isso é....

    ResponderEliminar
  3. oh se sei... ainda hoje no lab (mas com NEs) tive uma crise dessas, o problema é que aqui são equipamentos, e normalmente eles têm sempre razão. Chegámos à conclusão que houve falha de quem levantou o problema, erro humano, o mais comum.

    ResponderEliminar
  4. O raio da solução é sempre simples... normalmente é uma máquina mal ligada ou uma pipeta mal calibrada ou a MilliQ water mal filtrada.

    :p

    Boa sorte a encontrar o gato.

    ResponderEliminar
  5. A sério... estou a dar em maluca.

    ResponderEliminar
  6. Se te compreendo. Hoje também não correu muito bem para estes lados... um protocolo que funciona com as amostras de todos não quer funcionar com as minhas... e as minhas bactérias não cresceram. pode ser tanta coisa, água, pH, calibragens, temperatura... e o pior é mesmo descobrir o gato!!

    ResponderEliminar
  7. Problemas com a água? Algum dos reagentes é demasiado velho ou de um lote novo que tenha problemas?
    Compreendo-te tão bem! Isso aconteceu-me algumas vezes e sei bem o desesperante que pode ser...
    Boa sorte!

    ResponderEliminar
  8. Lição: Nunca faças isso antes de um fim de semana!

    Estraga-te o fim de semana.
    ESquece que correu mal e começa de novo na segunda.

    ResponderEliminar
  9. Odeio coisas reprodutíveis. Mesmo em gastronomia.

    ResponderEliminar
  10. O NSC não gosta de comer gajas.

    ResponderEliminar
  11. Estou à espera do raciocínio que conduziu a tão brilhante conclusão.
    A não ser que para o Pedro só haja UMA forma de comer uma gaja. Ou que só o faça para efeitos de reprodução.
    Meu Deus, como deves ser aborrecido.

    ResponderEliminar
  12. NSC, vou usar as tuas próprias palavras para te dizer o seguinte:
    "E leve (incluindo o que eu digo) menos a sério."

    E quanto à tua dúvida
    "Eu tentava explicar-te, mas corria o risco de não perceberes."

    ResponderEliminar
  13. Não, não, são mesmo as asneiras que tu dizes. Com o vernáculo posso eu bem.

    ResponderEliminar
  14. Não é preciso ser uma sumidade em ontologia para dizer que a tua primeira frase é, essa sim, uma asneira (no sentido etimológico mais puro do termo, ou seja, algo próprio e um asno). Coisas e gajas... Bom, não sabia o que conhecias de gajas, mas fiquei esclarecido.
    Neste caso devias ter seguido Twain: «Mais vale ficar calado e parecer estúpido do que abrir a boca e dissipar todas as dúvidas».

    ResponderEliminar
  15. Agora vou dar uma voltinha, mas continua a discussão, Pedrinho, que eu depois respondo.
    Eu nunca me sinto bom de mais para trocar argumentos sobre os mais disparatados assuntos, mesmo com os idiotas.

    ResponderEliminar
  16. Meu, se não sabes de ontologia vai aprender antes de dizeres disparates. Lê o "L'être et le néant" e depois vem falar comigo.

    Isto é muito fácil... A usares citações de outros? "Foda-se, outra Tininha!"

    E se é para pareceres culto, usa citações de gajos que escrevam livros a sério.

    ResponderEliminar
  17. Eu não preciso parecer culto, Pedrinho. Mas sempre te digo que já não tenho paciência para o teu querido JP. Mete-me náuseas.
    Escreve um livro a sério que eu leio. E talvez cite.

    ResponderEliminar
  18. Olha, olha... Começaram os insultos.

    E por falar em idiotas, "O idiota" do Dostoievski... Isso sim é um escritor.

    Insulta-me com citações do Dostoievski, que eu gosto.

    ResponderEliminar
  19. E comparar Sartre a Twain e achar que Sartre é superior a Twain é de uma limitação impressionante.

    ResponderEliminar
  20. Quem começou com os insultos foste tu, Pedrinho. Se não sabes o que quer dizer asneira, não uses a palavra.

    ResponderEliminar
  21. Lê lá melhor... Eu nunca disse que o Sartre era maior do que o Twain (mas podia ter dito, porque é.). Sugeri o "Ser e o nada" para aprenderes um pouco de ontologia.

    Agora se vamos comparar tamanhos o Dostoievski é muito maior que o Twain.

    ResponderEliminar
  22. Bom, eu cito Twain, tu falas em Sartre e escreves «usa citações de gajos que escrevam livros a sério». Também não preciso de ser uma sumidade em lógica...
    O Sartre é sobrevalorizado. Daqui a 100 anos é um pensador de 2ª do século XX. Já o é, mas ainda há muita gente com a merda do 68 a servir de palas.
    E quanto ao Dostoievski, que é muito bom, só se for mais alto que o Twain.
    Lê Twain com atenção e depois vês.

    ResponderEliminar
  23. E agora é que vou mesmo. Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  24. Não é preciso ser uma sumidade em lógica. Basta ler as frases com atenção e até ao fim.

    O Sartre é muito mais do que o Maio de 68.

    E quanto ao Twain assim de repente lembro-me de vários americanos que para mim são muito melhores do que ele e que escrevem sobre coisas que me interessam: Salinger, Kerouac, Vonnegut, Heller e claro, o Bukowski.

    ResponderEliminar
  25. Gatos não se discutem. Kerouac é uma merda pegada, só que é porreiro dizer bem dele.

    ResponderEliminar
  26. água... andei nove meses com um problema semelhante e no fim a diferença estava na dureza da água.
    :P

    ResponderEliminar
  27. Quero trabalhar nesta área, mas o problema maior que vou enfrentar é mesmo a paciência. Mas a ciência é mesmo assim. Por vezes temos que dar dois passos para trás para conseguirmos avançar.

    ResponderEliminar