29 de setembro de 2010

Live and learn, darling

Não há relações recíprocas. Há sempre uma parte que dá mais do que a outra.

14 comentários:

  1. True. E se não for assim, há algo de errado a passar-se.

    ResponderEliminar
  2. Completamente. E quem não concorda anda iludido.

    ResponderEliminar
  3. mas havia dúvidas? aspiramos sempre a utopia de modo a não estancarmos na monotonia. temos sempre porque lutar...

    ResponderEliminar
  4. Sempre concordei com essa frase, aliás, sempre a disse, mesmo para espanto de algumas pessoas... mas isso deixa-me triste. Não concordo com o que o Prezado diz, acho mesmo que ambas as pessoas deveriam dar de igual forma, às vezes uma, outras vezes a outra... mas as duas!
    Eu conheço dois ou três casos assim e sei que são felizes, se calhar são dos poucos casais que conheço verdadeiramente felizes!

    ResponderEliminar
  5. È verdade, não conheço um único casal em que uma das partes não dê mais de si do que a outra.

    ResponderEliminar
  6. Verdeuxa,
    São exactamente esses "verdadeiramente felizes" que refiro com o "algo de errado".

    ResponderEliminar
  7. A parte chata é seres tu quem dá mais...

    ResponderEliminar
  8. Nope! não concordo nada, mesmo!
    Não tem que, necessariamente, ser assim... acreditem!
    E não estou a falar daqueles casais que parece que estão sempre super felizes, que nunca há problemas, que é tudo um mar de rosas... não!
    Refiro-me àquelas relações super "normais", com os seus problemas, com as suas discussões, com as suas dúvidas, em que às vezes cede um outras vezes cede o outro... mas, onde "o dar de si" pode ser perfeitamente equitativo. Ai pode, pode.

    ResponderEliminar
  9. Há sempre uma parte que dá mais que a outra, em determinado momento. No momento a seguir, trocam-se posições. É como o gostar. Há sempre um que numa fase, gosta mais que o outro, não é?
    Costumo comparar a uma balança das antigas, ou a um baloiço com uma criança em cada ponta. Num momento, um dos lados está em cima, no outro já está cá em baixo.
    Há um curto espaço de tempo em que se cruzam. Há que tentar prolongar esse momento, com a certeza de que não dura para sempre, mas pode repetir-se imensas vezes.

    ResponderEliminar