22 de outubro de 2010

Fair play

Nunca tive jeito para seduzir. Nem para ser seduzida, para dizer a verdade. Não tenho grande apetência nem paciência para jogos manhosos, e muito menos para andar a brincar ao gato e ao rato. Os encontros felizes que tive aconteceram naturalmente, não por esforço consciente de alguma das partes, mas por inevitabilidade, como se a certa altura não fizesse mais sentido que fosse de outra forma. As coisas são como são, e não vale a pena forçar, ou esforçarmo-nos demasiado por algo que deveria ser simples. E por isso, por defeito, não estou em jogo, nem tento manipular o resultado final. Até porque fazer batota raramente leva a algo de bom.

13 comentários:

  1. Cara Luna, penso exactamente o mesmo. Muitas vezes tento pôr-me na posição de sedutora, mas o tiro sai-me quase sempre pela culatra. O que me acontece, em termos amorosos, deve-se sempre à tal inevitabilidade que mencionas. Acho que para as anti-sedutoras por natureza tem de estar alguma coisa de especial reservada, né?
    Ou então não, se calhar as anti-sedutoras ficam sozinhas para sempre, a contar histórias aos amigos que as adoram.

    ResponderEliminar
  2. Falou e disse muito bem, quando menos se espera acontece!!
    Abraço grande

    ResponderEliminar
  3. Eu também penso assim, até porque sou bastante inepta para conquistar conscientemente alguém. O maior problema é mesmo passar largar temporadas sózinha, porque esta inevitabilidade é muito boa, mas acontece raramente.

    ResponderEliminar
  4. Conclusão inevitável, mas raramente fácil de aceitar.

    ResponderEliminar
  5. Eish, tenho de te dar umas aulas. A sedução é um jogo com regras flexíveis mas ainda assim severas. Muitas vezes é preciso fazer o oposto do que se que quer fazer, dizer o contrário do que se sente, ter paciência quando se está a arder de vontade etc. O importante é ganhar. Depois, com o tempo, lentamente, uma pessoa pode abrandar o ritmo e confessar que tem chinelos em forma de coelhos de peluche.

    ResponderEliminar
  6. Mas onde é que a Luna, viu ou ouvi que a "Sedução" tem de ser necessariamente o jogo do gato e do rato?
    Os "encontros felizes"? Que têm? Não estão a par e a salvo da sedução? A sedução entre "dois jogadores" pode, de facto, ser manhosa. Concordo. Mas a sedução em Amor? Parece-me que há aqui uma confusão do tipo: isto é assim para tudo. Quando, na minha mais modesta opinião, não é. As coisas podem ser separáveis. Uma não implica a outra. Sedução não é sinónimo de estratégia. De "meio para". Há amores que sobrevivem da sedução. Quando se faz um jantar especial, para alguém que chega tarde depois de um dia de trabalho, quando se dá um ramo de flores sem comemorar qualquer data, quando se deixa um post-it na mesa do pequeno-almoço para alguém que sai mais tarde... Isso não será também, uma partícula da sedução?

    ResponderEliminar
  7. O Samuel e eu somos o mesmo. Somos é meio esquizo...

    ResponderEliminar
  8. Pois..o meu problema é qe to sempre à espera qe aconteça..e parece qe não sei fazer o contrário, apesar de saber, como a/o Sairaf disse "quando menos se espera acontece!!" *

    ResponderEliminar
  9. Se calhar até se aprende mas... valerá a pena?

    ResponderEliminar
  10. Só para dizer que adorei este post.

    ResponderEliminar
  11. Concordo inteiramente contigo. Tudo às claras!

    ResponderEliminar