6 de novembro de 2010

Lume brando

Por vezes aparecem pessoas que nos vão envolvendo devagarinho, não sei se consciente ou inconscientemente, mas, como quem não quer a coisa, nos vão cozinhando em banho-maria, uma pitada de sal aqui, uma de pimenta ali, umas ervas ou especiarias acolá, e assim nos vão mantendo, sempre sem levantar fervura, nada explícito, nada concreto, só leves sugestões e ambiguidades, enquanto decidem se sim se sopas. E depois lá decidem e apagam o lume, e uma pessoa fica ali a boiar, mal passada, sem perceber muito bem o que aconteceu, que estava tão sossegadinha no seu canto, para que a foram desassossegar, duvidando de si, da sua lucidez, se terá interpretado mal, se era fantasia, se terá imaginado tudo, se era só coisa da sua cabeça. Depois, claro, é deixar arrefecer, voltar ao normal, temperatura ambiente, pois, sim, amigos como antes, reset, que afinal nem sequer há certezas que justifiquem mais explicações. A incomodar só fica mesmo a puta da dúvida: não era da minha cabeça, pois não?

37 comentários:

  1. Been there, done that! Não acho que seja da nossa cabeça. Acho que é mais problema da cabeça dos outros. :|

    ResponderEliminar
  2. não, não era da tua cabeça. acredita.

    ResponderEliminar
  3. já me aconteceu o mesmo.. e horrivel nunca saber se tudo não passou dum desejo nosso...se nao estavamos a ver o que queriamos ver...

    ResponderEliminar
  4. é completamente irritante e estúpido e dá vontade de partir a cabeça do tipo. eu acho sempre "voltou para a ex" ou isso. haja pachorrinha.

    ResponderEliminar
  5. Olá Luna! Posso fazer uma referência no meu blog a este texto?
    Beijinhos
    Sabonete de Glicerina

    ResponderEliminar
  6. Não Luna. É tal e qual como descreves! E que bem o escreveste :)

    ResponderEliminar
  7. Ousaria dizer que sentimos o mesmo no mesmo dia. Eu escrevi-o de manhã. Menos bem, claro está.

    ResponderEliminar
  8. acho que muita gente se identificará com esta situação. o pior, tal como descreveste, é que essas pessoas voltam para a sua vida normal, como se nada se passasse e nós ficamos com as entrenhas remexidas, desnorteadas, sem saber nem como, nem porquê. bah!

    ResponderEliminar
  9. Não é da nossa cabeça, aconteceu uma de três hipóteses:

    1- Voltou para a ex.
    2- Fartou-se porque gosta delas fáceis
    3- Interessou-se por outra que foi mais rápida e acessível.

    Ah...a coisa boa é que normalmente não valem a pena. Se valem mais tarde ou mais cedo percebem e tentam a sua sorte again =)

    ResponderEliminar
  10. Há pessoas que merecem comer papas de aveia toda a vida.

    ResponderEliminar
  11. posso colar descaradamente um link que responde à puta da tua dúvida?

    http://be-differente.blogspot.com/2010/10/boys-girls-face-your-problems.html

    Very Best Hug, amribeiror

    ResponderEliminar
  12. Não, não era. O estado "a boiar, mal passada, sem perceber o que aconteceu" é mais do que ingrato e se n era para dar em nada mais valia ter ficado quieto. Mas será mesmo assim? Por mais que custe (agora), talvez sejam estes altos e baixos que dão alguma cor à vida, não?

    (O texto está primorosamente escrito. Parabéns!)

    ResponderEliminar
  13. costumo chamar a essas pessoas man in black! usam aquela ceninha para apagar a memória e puff! vão-se!

    ResponderEliminar
  14. fantástico, e tão bem escrito, que descreve o que se passa em tantas relações

    ResponderEliminar
  15. Não, nunca é da nossa cabeça. Nós sabemos. Sabemos sempre.

    ResponderEliminar
  16. Na mouche e no dia certo!!! Bolas, eu não teria escrito melhor. E não, não costuma ser das nossas cabeças. beijinhos

    ResponderEliminar
  17. Malditas dúvidas que nos consomem o pensamento e corroem a alma!!
    Abraço grande
    Adorei este post.
    Sairaf

    ResponderEliminar
  18. Os tão conhecidos "allumeurs". Talvez o melhor seja deixares arrefecer e sabes tão bem como eu que tudo passa ;-)

    Adorei este teu texto :-)

    ResponderEliminar
  19. É como dizes, andam a ver se sim se sopas...acaba por ser um bocadinho cruel, não de deve deixar alguém pensar que tem uma hipótese quando na verdade nunca a teve.
    Arrefece, passa à frente. Beijos

    ResponderEliminar
  20. Pode ser de propósito, e a pessoa fazer isso com uma intenção, ou pode ser só uma fantasia de quem desejou mais daquela pessoa.
    Seja como for, não resta mais nada a ser seguir em frente.

    ResponderEliminar
  21. * a não ser SEGUIR EM FRENTE (é assim!)

    ResponderEliminar
  22. A Luna faz-me lembrar aquelas pessoas que nasceram com olhos lindos, que estão fartas de ouvir que têm uns olhos lindos, que já nem ligam ao que dizemos, mas como têm uns olhos lindos, temos mesmo de lhes dizer. Que delicia de escrita.

    ResponderEliminar
  23. Acredita que 99,9% das vezes não é da nossa cabeça! (adorei o post)

    ResponderEliminar
  24. Profundo. Sou brasileiro e é interessante ler textos no português de Portugal. É bem diferente do português aqui do Brasil.

    ResponderEliminar
  25. Não, não resta apenas a dúvida: a ela soma-se este texto muito bonito. Já valeu a pena, portanto (digo eu).

    ResponderEliminar
  26. Adorei. Também me sinto um bocado cozinhada, às vezes.

    (Não, não era da tua cabeça.)

    ResponderEliminar
  27. conheço a sensação...e é terrível...

    ResponderEliminar
  28. Faltava eu... furtar. Com todas as devidas merecidas e reconhecidas referências.

    Que texto extraordinário. E que prazer é ler-te.

    ResponderEliminar
  29. A mim até parece que vem mesmo a calhar...De resto, perfeito. Excelente texto.

    ResponderEliminar