17 de março de 2011

Bizarrias laboratoriais

No meu trabalho laboratorial, tenho frequentemente de preparar formulações que serão posteriormente usadas in vitro e in vivo para serem testadas em termos imunológicos. Por essa razão, as minhas formulações têm de ser muito "limpas", isto é, livres de quaisquer impurezas que possam afectar ou mascarar os resultados obtidos, pelo que tenho de usar água esterilizada extremamente pura, chamada água para injecção, que é a usada em hospitais. Depois da última encomenda, recebi um telefonema do fornecedor a dizer que não ma podiam vender, devido a uma lei recente, que inclui esta água nos produtos restritos a uso médico, e que precisava de uma autorização especial, assinada por um farmacêutico registado. Coisa que nem o meu chefe, doutorado em farmácia, é. O que me faz ter de ir pedir ao meu outro orientador, o do hospital, para me assinar a autorização, para lhes poder mandar o formulário e poder receber a encomenda. Isto não seria completamente ridículo se eu não pudesse encomendar à vontade qualquer tipo de ácidos, solventes altamente tóxicos, como clorofórmio ou metanol, ou acetonitrilo, que uso diariamente e cuja última encomenda foi de 20 litros, e que pode ser metabolizado em cianeto de hidrogénio, e não tivesse acesso livre a uma enorme variedade de outros compostos perigosos, tóxicos, cancerígenos, mutagénicos, etc., que, em doses certas, podem causar a morte de pessoas. Agora água é que não, para a água preciso de uma autorização especial. Muito normal, sim senhora.

19 comentários:

  1. E eu a pensar que estas coisas só aconteciam em Portugal...

    girl-withblueshirt.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Não me digas que eles aí já estão a ser contaminados pelo vírus burocrata português?

    ResponderEliminar
  3. A água tem que ser a mais estéril (como é óbvio) e há toda uma autorização por trás. Para matar gente ou para nos suicidarmos é só preciso dizer quantos quilos ou litros queremos. Há pessoas estúpidas.

    ResponderEliminar
  4. Nào será, mais por se tratar dum bem escasso escasso, que perigoso?
    Não percebo nada do assunto, mas ocorreu-me...

    ResponderEliminar
  5. Não, não é um bem escasso.
    Bens escassos são os produtos que eu encomendo e que custam, por exemplo, 1800€ cada 5 mg.
    é mesmo questão de políticas e leis.

    ResponderEliminar
  6. Já agora, convém esclarecer que todas as minhas encomendas têm de passar por aprovação do meu chefe, e pelo sistema de encomendas da faculdade, não posso encomendar nada sem que passe pelos controlos normais. A ironia é que a água tenha de passar por controlos adicionais.

    (por exemplo, ao contrário do que se passa em portugal, aqui, como noutros países, não se vende álcool etílico livremente, por causa de poder ser usado para adicionar à bebida. quando não é para usos laboratoriais, ou médicos, são adicionados compostos com sabor, etc, para que nao possa ser consumido. daí que nós, portugueses, tenhamos de trazer garrafinhas de álcool de portugal para assar chouriços aqui. ainda assim, se eu quiser encomendar 20 litros de álcool através do laboratório, não terei problemas. só mesmo com a água)

    ResponderEliminar
  7. Há alcoól desnaturado no Etos! Vem numas garrafinhas minúsculas e custa o dito cujo e três tostões. Mais vale ires afiambrando um pouco do lab, de qq das maneiras...

    ResponderEliminar
  8. Uau. E pensar que se pode fazer bombas com fertilizantes e detergentes (não sei como, não me perguntem). Auguinha destilada, também tem que se ter autorização?
    Álcool etílico também? jasus.

    ResponderEliminar
  9. Se fosse em Portugal compreenderia, mas nos States...
    Sei do que fala pois já trabalhei com metanol e acetonitrilo que chegava em barricas de 30litros e a água super pura, vinha em pequenas garrafas de 2 litros mediante requisição toda xpto!

    ResponderEliminar
  10. Vai à Pipi das Meias Altas, vais rir bastante com a versão alternativa deste post. :))))

    ResponderEliminar
  11. Pois... a água tem perigos escondidos. Então se for muito pura.. cuidado.
    Muito bom o post.
    E o blog :)

    ResponderEliminar
  12. Lembro-me duma altura em que aqui em PT havia problemas na alfândega com o etanol e as empresas estavam todas sem stock. Às tantas passei a comprar as garrafinhas do lidl, que até eram mais baratas, e para os usos que lhe dava, foi a solução ideal.

    ResponderEliminar
  13. Esse drama todo por uma simples água ppi? Oh god -.-'

    ResponderEliminar
  14. Realmente acho que a maioria dos comentários segue no mesmo sentido do meu. Se fosse cá em Portugal, seria algo bastante normal, visto que funcionamos ao contrário...

    ResponderEliminar
  15. Continuas em Leiden, certo?! ;))

    ResponderEliminar