29 de maio de 2011

Uma solução para as desigualdades sociais


um texto delicioso da nova rubrica do Ouriquense (que convém ir ler na totalidade para perceber)

13 comentários:

  1. Isto é a minha ideia, há muitos anos.

    ResponderEliminar
  2. Há meses que tenho esta discussão com o meu marido. Ele diz que se não se pagar principescamente aos gestorzinhos públicos, eles passam-se para o privado. Eu digo que não acredito que não exista gente capaz, decente e com vontade de trabalhar por um terço do preço. Além do mais, com as regalias astronómicas dos gestores públicos, alguma vez eles se passam para o privado?? Deves...

    ResponderEliminar
  3. E que passem, era um favor que nos faziam. Nao me parece que tenham andado a fazer propriamente bom trabalho.

    ResponderEliminar
  4. A ideia é uma boa ideia, até porque com 10.000 já se tem uma vida mais que razoavelzinha. O problema é o pessoal que se habituou à mama aceitar. Isso é que era bom. Olha os administradores dos bancos, como é que iam pagar as casinhas na beloura ou quinta do 'pirum'?

    ResponderEliminar
  5. Bem, não resisto. Se tal medida fosse aplicada, o resultado seria muito simples: todas as pessoas que ganham (ou pretendem um dia vir a ganhar) mais de 10000 emigrariam (juntamente com os seus saldos bancários); ao mesmo tempo, os donos de empresas que para funcionarem pagam bem mais do que 10000 deslocariam as suas empresas para países onde tal coisa não fosse obrigatória; ao mesmo tempo, nenhuma empresa estrangeira se sediaria em Portugal. Autoeuropa e os seus 7.5% do PIB? Na Polónia ou Roménia, sei lá. Resultado? A fuga de capitais total. Como combater tal coisa, já que sem riqueza a malta não come e tal? Impedir a fuga dos capitais; para tal coisa apenas a nacionalização da banca e congelamento das contas dos cidadãos poderia apresentar resultados. Queres comprar uma sardinha? Levas um papel ao banco e talvez ele te dê o guito. Umas senhas de racionamento seria "mais justo". Com as empresas a falir, tudo o que é créditos dependentes de rendimentos elevados deixam de ser pagos; os bancos, naturalmente, sem dinheiro a entrar, deixam de ter capitais suficientes. Financiarem-se? Como? Quem dá dinheiro? Ninguém. Restrutura-se a dívida, vá. Adeus Euros, viva os escudos. Só valem cá, claro. Produzimos o suficiente para sobreviver? Claro que não. O paraíso comunista dos miseráveis. Caríssimos: a única coisa que garante a liberdade, aquela de que tanto gostam, é precisamente o vosso inalienável direito à vossa propriedade privada; transformar parte desse direito num "jogo de competição" é atirar-vos paras as masmorras do totalitarismo. Às vezes em vez de se perder tanto tempo a sonhar com o "era tão bom que fosse assim" talvez fosse melhor preocuparmo-nos mais com o "como é que isto - da vida - realmente funciona.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  6. Oh rapaz, repara que é uma personagem fictícia, com textos cujo objectivo é mais literário que propriamente de análise política, como aliás todo o blog em questão.
    Não é uma coluna de opinião, não é uma análise económica.

    (no entanto, eu acho que na função pública deveria haver tectos salariais, com limite no salário do presidente da república, por exemplo)

    ResponderEliminar
  7. P.S. quando eu disse um texto delicioso, não disse: uma análise económica e financeira que pretende vir a resolver os problemas da economia nacional. É um blogue literário, não um blog político!

    ResponderEliminar
  8. Mesmo assim, eu li o texto e passei adiante mas depois vêem-se os comentários e percebe-se que este tipo de ideias absolutamente mirabolantes fazem o seu caminho. Daqui a nada "delibera-se" no Rossio tectos de 10000 :P

    ResponderEliminar
  9. Mas na FP já há tectos salariais. Só que há excepções, claro. Os gestores públicos, por exemplo, não se misturam com a ralé da FP.

    Por acaso acho que num mercado de trabalho como o nosso um salário superior a 10.000 é, a maior parte das vezes, totalmente injustificado em relação ao que se produz. E depois temos administradores a fazer contabilidade criativa para aumentarem os respectivos prémios. Ou vão dizer que nunca aconteceu?

    ResponderEliminar
  10. Não me chocariam tectos salariais, se fossem políticas aplicadas à escala internacional. Claro que a nível nacional nao resultaria, pelas razoes que dizes, mas eu, que sou assim a dar para a esquerda, acho que permitiria uma sociedade mais justa, com menos desigualdades.

    É que para haver gente a ganhar mais de 10000 euros, tem de haver muito mais a ganhar menos de 500 para o pagar.

    ResponderEliminar
  11. "É que para haver gente a ganhar mais de 10000 euros, tem de haver muito mais a ganhar menos de 500 para o pagar. "

    Esse é o erro: parte do pressuposto marxista de que não há criação de valor, apenas exploração do trabalho; na realidade, os países onde os salários mais altos são superiores, porque significa que trabalham em empresas altamente lucrativas que geram empregos e rendimentos, os salários mais baixos são também mais elevados. Empresas que podem pagar elevados rendimentos = emprego e bons salários para todos.

    Isto, claro, em Portugal não funciona na FP (e por arrasto em muitas empresas que privadas que vivem à conta dos negócios e das benesses do estado) porque os incompetentes que levam essas empresas públicas (nossas, portanto) a déficits crónicos e imorais, apesar de incompetentes, continuam a receber os seus salários, prémios, automóveis (tudo pago com os nossos impostos).

    A solução não é tectos salariais: é despedimentos dos incompetentes. E isso apenas se consegue num mercado livre (o que não é o caso do sector empresarial público) Vê o caso do Almerindo Marques: criou uma dívida como Presidente das Estradas de Portugal que beneficia directamente uma empresa do grupo BES; de seguida sai das Estradas de P. e vai trabalhar para onde? Para o Grupo BES.

    O sector empresarial do estado não vai lá com tectos salariais: vai lá com polícia. A maior parte desses gajos se não fosse amigo de alguém no poder político não tinha emprego era em lado nenhum.

    ResponderEliminar
  12. «if you pay peanuts you'll get monkeys»

    ResponderEliminar