11 de setembro de 2009

9/11

18 comentários:

  1. É terrivel pensar nisso.. e no tempo que já passou..

    beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Pode ser que o Super-Homem comece a andar à volta da Terra e que tudo volte atrás. Eu ficava com menos 8 anos e novamente solteiro, o que era até porreiro.

    ResponderEliminar
  3. Parecia-me um evento já num passado distante. Até ver imagens do espanto dos transeuntes, do esforço das autoridades e daquelas pobres pessoas presas nos edifícios. Agora já me lembro do que senti nesse dia - uma agonia descrente.

    ResponderEliminar
  4. Nunca esqueceremos, pois não?
    Consigo lembrar esse dia hora a hora, todas as pessoas com quem falei ao telefone (estava de férias na Balaia, mesmo assim várias souberam por mim, a conta de telemóvel desse mês foi monstruosa). Eu estava de viagem marcada para NY daí a um mês, estava ao telefone com a minha irmã, a primeira torre já tinha caído, e ela dizia-me tristemente "Já só vais ver uma..."

    E nisto, frente à televisão, o meu berro aflito: "Mana, a segunda torre está a cair!"

    Lembro muito bem o cenário da fotografia que escolheste, se bem que não tenha conseguido vê-lo ao vivo com tanta nitidez, já estava tudo muito tapado. Mas há o pormenor da bandeira, que faz toda a diferença. United We Stand.

    E nesse dia todos nós fomos americanos. Já nem falo de ti, que nasceste lá...

    ResponderEliminar
  5. Sinceramente posso acabar por parecer insensivel, mas preocupa-me muito mais as centenas de crianças que morrem todos os dias com fome, as meninas que são mutiladas por ignorância social, as crianças orfãs orientais amarradas a cadeiras com buracos para defecarem, e tantas barbaridades que andam por aí, que todos os dias seriam uma data catastrófica...
    Eu sei...foi um pouco insensivel...
    São aqueles dias...

    ResponderEliminar
  6. June,

    Eu acho que tudo isso, todas essas coisas que nos cortam o coração e o fazem em bifinhos muito fininhos, entram nesta mesma categoria.

    O 11 de Setembro acaba por ser também um símbolo de tudo isso, não lhe parece? E não podemos esquecer. NADA.

    ResponderEliminar
  7. Teresa, obvio que não podemos esquecer de nada, é triste ver o nosso mundinho com tanta desgraça, muito triste mesmo, e não estou a banalizar o 11 de Setembro, de forma alguma, nem quero imaginar as pobres familias destruidas, a dor que provocou em tanta gente, e a tristeza de uma morte injusta, todos sentimos de uma forma devastadora aquele trágico dia, mas não considero parte da mesma categoria as situações que dei como exemplo em cima, porque são situações que se arrastam há anos e anos de pura ignorância, desleixamento, que nem o tempo curou, enquanto este atentado 11 Setembro, foi algo planeado,premeditado para destruir, e chocar...
    Considero situações diferentes..mas todas desgraças como é obvio...e todas sentidas...

    ResponderEliminar
  8. O 11 de Setembro levanta cada vez mais controvérsia. Tal como a Gripe A:

    Jornal Nacional da TVI (7 de Setembro de 2009) - o embuste da Gripe A e os biliões ganhos pelas farmacêuticas com o medicamento Tamiflu

    Jornalista da TVI: Um dos homens que mais tem lidado com a Gripe A em Portugal é o Director do Serviço de Doenças Infecciosas do Hospital Curry Cabral. Fernando Maltês afirma que a Gripe A vai matar menos gente do que uma simples gripe sazonal (gripe comum), que é mais inofensiva e trata-se, na maioria dos casos, com antipiréticos. O Director Geral de Saúde Espanhol é da mesma opinião.

    Director Geral de Saúde Espanhol: Se morrem muitas pessoas em Espanha por contaminação atmosférica, ninguém presta atenção. Ou se morrem tantas pessoas por fumar, ninguém lhes presta atenção. Mas se, pelo contrário, morrem duas pessoas com gripe, presta-se muita atenção. É lógico, eu entendo, mas pouco a pouco a sociedade tem que amadurecer e dedicar o tempo que cada problema requer em função da sua gravidade.

    Dr. Fernando Maltês: O Tamiflu, desde o princípio desta pandemia, tem sido encarado pela população como uma espécie de fármaco milagroso, o que não é verdade. E no que diz respeito à eficácia, concretamente no vírus da gripe, é uma eficácia que está, digamos, mal documentada. Se houver um conjunto de factores que digam – vale a pena administrar o fármaco – o médico administra, caso contrário, balançando os efeitos benéficos com os potenciais riscos, é preferível não administrar.


    Jornalista da TVI: Já lá vão quatro meses desde que foi confirmado o primeiro caso de Gripe A em Portugal e, até agora, não há qualquer morto a registar. Em média, por ano, morrem em Portugal mais de mil e quinhentas pessoas de gripe, sem aberturas de telejornais e sem a Ministra da Saúde todos os dias nas televisões.

    A verdade é que o mundo está preocupado com a Gripe A e já há empresas a ganhar milhões à custa do H1N1 (vírus da Gripe A) . A farmacêutica Roche, por exemplo, cujas vendas do seu Tamiflu caíram quase 70% quando o mundo percebeu que já não havia perigo de uma Gripe Aviária, vê agora as vendas desse mesmo medicamento dispararem em mais de 200%.

    Ajuda importante também para a Glaxo Smith Kline, o laboratório britânico a quem Portugal já encomendou seis milhões de doses da vacina contra a Gripe A, a 8 euros cada uma (48 milhões de euros) , teve um ano difícil do ponto de vista financeiro. Eis senão quando, surge o tal vírus, H1N1, que deverá render, só ao laboratório britânico, cerca de dois mil milhões de euros, tendo em conta que as encomendas estão quase a atingir as trezentas milhões de doses.

    VÍDEO da notícia na TVI

    ResponderEliminar
  9. June,
    Estamos inteiramente de acordo, mas parece que não nos entendemos. Culpa minha, provavelmente, não tendo sabido explicar-me bem.

    O 11 de Setembro, que tanto me doeu, funciona para mim, em última instância, como símbolo máximo de tudo aquilo que referiu e me soa ultrajante.

    Onde houver um ser humano inferiorizado, um animal maltratado... eu estarei a apontar um dedo acusador.

    ResponderEliminar
  10. Teresa, sim compreendo, apenas diferentes simbolos :)
    Desde que unidas para o bem é a unica coisa que interessa...
    :)

    ResponderEliminar
  11. Diogo, concordo plenamente contigo...
    :)

    ResponderEliminar
  12. Foi, sem dúvida, uma das maiores mentiras alguma vez contadas. A sociedade ficou mais pobre, porque se perde muito quando se vê algo assim. É impossível, inacreditável como alguém ataca assim, o seu próprio país para justificar uma guerra e uma presença que já dura há 8 anos, no médio oriente.

    O governo americano, e os gajos por detrás, a reserva federal, deviam ser julgados em praça pública às mãos do povo depois de confessarem a merda que ali fizeram.

    Sim, sim, não acredito na história do atentado terrorista. Há demasiada ponta solta para crer em tal coisa. E parece ainda mais monstruoso assim, mas é assim.

    Que descansem as vítimas de uma guerra sangrenta a que chamam terrorismo, que seja feita justiça.

    ResponderEliminar
  13. Jane Doe...sim sempre inclinei-me para esse lado, também nunca acreditei muito que fosse um ataque terrorista, sempre desconfiei que fosse obra dos americanos, mas como não há provas, nada poderei dizer convictamente, por isso irrita-me um pouco este dia ser tão falado enquanto tanta desgraça acontece neste minuto...resta-nos lamentar as vidas arrancadas injustamente...

    ResponderEliminar
  14. June:

    O problema é que essas desgraças que acontecem a cada minuto acontecem porque O G8, ou o G20, ou o Bildeberg group deixa, pois construir um mundo igualitário para todos, não está na agenda deles.

    Vai-se lá saber porquê...

    ResponderEliminar
  15. Jane Doe:
    Pois interessa-lhes o poder, e manipular a economia, sendo assim o povo, seja eliminado uns ali, outros acolá, desde que os cifrões subam, o que interessa menos umas vidazitas...bouf..
    Pensamento do poder: Vamos lá enviar uns viruzitos bem potentes para a população borrar-se de medo e subir na economia...
    Nós é que somos parvos...
    Faltava aqui um Che ou uma Joan para pôr esta gente a andar...
    :)

    ResponderEliminar