11 de março de 2012

Então não falas holandês?

E eu, envergonhada, respondo: não, não falo.

E porquê?

Por várias razões:

1. Neste país TODA a gente fala inglês, inclusive os caixas de supermercado.

2. Os meus amigos são maioritariamente estrangeiros.

3. E no trabalho? No trabalho temos dez holandeses. E depois temos dois portugueses, dois ingleses, dois indianos, uma belga, um japonês, um finlandês, uma grega, um bangladeshiano, um francês, um italiano, uma nigeriana, uma indonésia, uma tailandesa, um alemão, e uma chinesa. No escritório que partilho com mais cinco pessoas, há apenas um holandês. 

Qual a língua que se fala maioritariamente? Não, definitivamente não é o holandês. Mas o meu inglês melhorou bastante.

34 comentários:

  1. Ui, assunto delicado!
    A mim é mais então e ainda não fala chinês?
    E eu respondo não ainda não falo nem cantonense nem mandarim, é super difícil aprender.
    No Atelier somos todos portugueses excepto as secretarias mas elas falam Inglês (mal), na realidade em termos sociais não me dou com chineses ( eu até gostava mas eles são muito fechados), só mesmo em trabalho fora do Atelier é que precisava mesmo. Ah e no dia-dia porque quase ninguém fala ou fala muito mal inglês.

    Eu sei é uma vergonha, porque precisava mesmo e se atravessar a fronteira de Macau para a China passo vergonha mesmo porque qualquer ocidental fala fluentemente mandarim, se eles aprenderam porque é que eu não aprendo?!


    Bom as minhas capacidades de mímica melhoraram imenso

    ResponderEliminar
  2. Não tens que ter vergonha, eu acho perfeitamente normal não falares holandês ;)
    Em investigação, a língua predominante é o inglês porque os laboratórios costumam ser uma misturas de nacionalidades =P

    ResponderEliminar
  3. Eu entendo q não fales, pq não precisas ou precisas pouco, mas na minha opinião uma língua dá sempre jeito, qualquer q ela seja. E estando no país de origem da mesma, mais fácil se torna. No Quénia fala-se inglês, mas o swahili é uma segunda língua e eu fiz questão de a aprender tanto quanto pude. Alem de me interessar por estas coisas, we never know :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aprender uma língua implica tempo, dedicação e esforço, coisas pouco compatíveis com um doutoramento. Se ficar por cá mais tempo, a trabalhar, aí tentarei aprender.

      Eliminar
  4. Pois, percebo perfeitamente, mas eu sou daquelas pessoas teimosas que quer fazer um curso para perceber o básico e não achar que é tudo chinês. Pode ser que consiga aprender qualquer coisinha...

    ResponderEliminar
  5. E aquela parte em que dizias que o holandês é uma língua (que me parece) mesmo filha da mãe de aprender?
    É que não desejo a ninguém...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é mesmo, com palavras que eu simplesmente não consigo pronunciar correctamente, como "ui" (cebola). Tenho uma amiga alemã, que embora fale holandês, me confessou que também não consegue dizer bem "ui".

      Eliminar
  6. Tiveste sorte, o meu Inglês nesses ambientes com muitos estrangeiros piora sempre, houve uma altura em que o meu sotaque já apresentava laivos do inglês alemão(the vorst!) do inglês indiana (hello my friend) e do inglês grego (we see us later). Help!

    (sempre achei que uma das chatices de emigrar para a Holanda era que depois não só a língua não era bonita como tinha fraca utilidade fora desse cantinho mínimo, mas um dia comprei uma edição de poesia bilingue e fiquei a achar que se calhar havia ali alguma coisa que me estava a escapar)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ah, mas eu o sotaque já tenho o meu portuguesinho da silva, que não sai.

      Eliminar
    2. Ah, os meus vão-se sempre que ouço um novo, é um sotaque camaleónico :)

      (tirando em Inglaterra, onde pela primeira vez me esforcei por recuperar o BE de quando comecei a aprender Inglês. Mas não havia nada a fazer, a morar com uma americana, eram pelo menos uns três muito frustrantes "Which part of the US are you from?" por semana)

      Eliminar
  7. Parece que estão a falar com a boca cheia de favas, tadinhos dos holandeses. E ao menos não fingem que não entendem inglês, como os malvados dos alemães (picando Rita Maria). Ou não são como os franceses, que não entendem mesmo inglês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai é, ai é? Honestamente, acho que estás a sobrestimar os conhecimentos linguísticos dos alemães e a subestimar a simpatia. Acho mesmo que eles são muito prestáveis e simpáticos na rua se não reparem logo que os odeias (recebe lá a picada de volta) e, tendo conduzido muitas entrevistas com gente jovem acabadinha de sair da escola, nem estou a falar de velhotes, acho que falam um Inglês ranhosíssimo, que leem muito mal noutras línguas e que se falar Inglês à minha velocidade normal e sem adaptar a pronúncia, muitos não percebem. True story.

      Eliminar
    2. Ah, dos bávaros, que são os que conheci, ficou-me na lembrança a mocinha que nos atendeu na esplanada da marienplaz, que era uma querida. E recomendou-me um bolo de chocolate que faz favor. Era loira e tinha o cabelo pintado de preto, o que se calhar explica a simpatia :P
      Olha que não se nota muito que os odeio. Mascaro os meus mais íntimos sentimentos com uma simpatia hipócrita, que quero que venham cá gastar os seus euromarcos ;)

      Eliminar
    3. Olha, eu gosto dos alemães (pelo menos os que conheço) e até digo mais, os alemães costumam gostar de mim. :)

      Eliminar
    4. Fixe! Infiltras-te, e se souberes de planos para nos invadirem, avisas, boa? :D
      Custa-me horrores admitir isto, mas os últimos grandes filmes europeus que me vi e me marcaram eram alemães. Ainda me conquistam, os malditos.

      Eliminar
    5. Izzie: quantos alemães conheces?
      A ideia que eu tenho é de uma boa parte se esforçar bastante por fugir ao estigma de ser alemão, e por isso ser bastante simpático e afável. Todos os que conheço são porreiríssimos.

      Eliminar
    6. Não conheço nenhum. Admito, é preconceito puro, metem-me medinho. Fruto de uma anglofonia muito arreigada. Vou importar/adoptar um alemão, a ver se mudo de ideias ;)

      Eliminar
    7. Isso lembra-me o meu preconceito contra os polacos: eu achava que eles eram horríveis, canhestros, toscos, básicos, intolerantes e parvos. Tinha uma amiga que achava exactamente o mesmo, uma vez tivemos uma conversa em que uma olhava para a outra e a outra para a uma e concordávamos que era uma coisa linda. A certa altura eu digo “Na verdade, estou a dizer isto mas se calhar é um bocado injusto só me estou a basear numa gaja polaca que conheci” e ela “Sim, eu também”. Long story short: era a mesma gaja polaca.

      O preconceito passou-me logo aí, muito antes de ter conhecido mais polacos, estudado política polaca ou ido à Polónia.

      Eliminar
  8. Ei, eu tenho uns amigos polacos e desminto que sejam "horríveis, canhestros, toscos, básicos, intolerantes e parvos". Pelo menos os que conheço (são um casal amigo e os seus 3 ou 4 amigos) não são nada disso. São muito fixes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu agora também desminto, era essa a história :)

      (até desminto a existência de qualquer povo cujos elementos sejam todos horríveis, canhestros, toscos, básicos, intolerantes e parvos)

      Eliminar
  9. sounds like a dream office to me :)

    ResponderEliminar
  10. Por acaso 90% dos holandeses sabem falar inglês mas nem toda a gente a fala.
    Se calhar estás numa zona que se fale maioritariamente o inglês. Em Amesterdão por exemplo, basicamente só se fala o inglês em tudo que é sitio, incluido também supermecados etc.
    Mas se vieres para o Sul tu vais ver se o teu inglês te serve de alguma coisa.
    A maior parte no Sul da Holanda fala tudo holandês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou seja, ainda bem que não estou no sul da Holanda.

      Eliminar
  11. Ainda bem sim. :)
    Contudo, não quer dizer que se fores a uma loja ou assim e falares o inglês não quer dizer que eles não te respondam. Mas a língua que falam primeiramente é o holandês.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu percebo algumas coisas básicas, embora não consiga falar, de modo que mesmo quando o ingles de algum empregado do supermercado ou de uma loja nao é famoso, dá sempre para safar.

      Eliminar
  12. "os caixas de supermercado"?

    ResponderEliminar
  13. Eu também não sei falar mas também percebo uma coisita ou outra mas também é compreensível visto que não estou na Holanda.
    Mas só uma pergunta... Há quanto tempo está na Holanda?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há mais de 3 anos, o que teria sido suficiente para aprender se me movimentasse em ambientes onde se falasse maioritariamente holandês.

      Eliminar
    2. Conheço pessoas que vive também na Holanda e demoraram um bom par de anos a aprender a língua por essa mesma razão. Sabem inglês , então não se preocupavam muito.
      Mas acho que estando no país e mesmo que se saiba o inglês deve-se querer sempre aprender um pouco mais. Porque é chato estar no meio deles e não perceber nada.
      (E falo por experiência própria).
      Mas gostas da Holanda? (A maior parte a que pergunto a resposta é sempre a mesma : Não). :)

      Eliminar
    3. Nao, nao gosto especialmente. Gosto de algumas coisas, mas dizer que adoro morar cá, não. Neste momento ainda estou num estatuto provisório, mas se acabar por encontrar e aceitar emprego cá depois, ai sim irei tentar aprender.

      Eliminar
    4. P.S. por vezes tenho a sensaçao de que se aprender a língua, me acomodo e nao saio mais de cá, e por enquanto ainda quero sair.

      Eliminar
    5. Sim , de facto é uma boa maneira de pensar.

      Eliminar
  14. É engraçada essa coisa do inglês. Não é a língua que mais me apetece mas, não fosse por ele, talvez não estivesse aí agora trabalhando, nem os seus colegas. Eu, nesta situação, com certeza tentaria aprender holandês, oportunidade incrível, mas seria um outra esfera: entregar-me ao novo, num hobby. Se no trabalho não se exige e precisa-se trabalhar... e não envergonhe-se. Gostei disso aqui. Tem um ótimo blog!

    ResponderEliminar