4 de dezembro de 2012

Autoconfiança, e assim

Uma das coisas que mais invejo nas pessoas em geral, bloggers em particular e geral again, é a sua extraordinária auto-confiança. A confiança em que o escreveram é suficientemente bom para ser publicado em livro, e ser capaz de dar a cara a promovê-lo.
Eu não sou assim. Acho que a maior parte do que foi escrito aqui, embora verdadeiro, é uma merda. Não tem qualquer valor literário, nem nunca teve esse propósito, e como tal, uma transposição em livro envergonhar-me-ia imenso, ao contrário de quem tem visão mais comercial da coisa e capacidade de auto-promover-se. Uma coisa é uma pessoa desabafar online durante anos, outra é querer que o desabafo inconsequente fique para os anais da história. O livro que espero escrever é a minha tese, e não um do meu blog, tão fraquinho, tão pessoal, tão primário.
E depois vejo o meu artigo no pubmed, e tenho a tentação de mostrar aqui, e uma vez mais, sinto pudor de mostrar algo tão fraquinho, tão óbvio, mesmo que me tenha custado 4 anos, e até esteja bem escrito, mas ainda assim, resisto a mostrar.
E volto a pensar: alguma vez acharei alguma coisa que fiz digna de publicar? (espero que sim ou estou lixada)


Adenda: para pessoas do meio científico: aqui. (para pessoas não do meio, terão acesso ao abstract, o resto é pago - sim, é caro, e não ganho um tostão furado)

46 comentários:

  1. Vais-me obrigar a ir procurá-lo, não vais?

    ResponderEliminar
  2. Pronto, já o encontrei, xa cá ler :)

    ResponderEliminar
  3. Sabes que nós não precisamos de nos gabar. Quando fazemos algo bom, os outros reconhecem. :)

    ResponderEliminar
  4. Mas a auto-critica terá sempre mais mérito do que a autoconfiança. :)

    ResponderEliminar
  5. Bem verdade. Invejo essa mesma coisa, nessas mesmas pessoas. Tem piada. Se algum dia publicar um livro, ao menos que seja alguma coisa digna! Textos de Blogs? Muito mainstream. Se tenho um Blog jeitoso? Pouco provável, só escrevo coisas estúpidas, isso não faria sentido. Coisas estúpidas servem para escrever um livro? Provavelmente. Há muitos livros estúpidos por aí. Mas não quero que o meu seja um deles.

    Se é para escrever um livro, que seja uma coisa jeitosa e nunca antes vista! :) Se os textos do Blog estão no Blog à disposição de qualquer um, que sentido faz compilá-los num livro e gastar papel? Estamos em crise.

    ResponderEliminar
  6. Charlotte querida, eu mostrar-te-ia sem teres de fazer de detective. O que achaste? (honestamente)

    ResponderEliminar
  7. p.s. mesmo que pusesse o link online, só pessoal do meio consegue o paper sem ter de pagar $31 por ele - caro, pá, e nadinha para o pobre autor!

    ResponderEliminar
  8. Acho que é importante reconhecer aquilo que fazemos verdadeiramente bem e aquilo que vamos fazendo mais ou menos ou que, mesmo dando um prazer do caraças ou servindo para ventilar um dia ou outro, é fraquinho, pronto. E mais importante é ter orgulho quando fazemos algo verdadeiramente bom, que nos saiu do corpo. E se a melhor formulação para péptidos não vale isso (seja lá isso o que for, perdoa a ignorância e manda lá o artigo para eu me cultivar, por favor) então se calhar quase nada vale.
    Portanto parabéns, pá. E muito orgulho em si mesma, sim? *

    ResponderEliminar
  9. Mariana, querida

    depois de ter andado a bater com a cabeça na parede durante quase 4 anos, ter conseguido este paper, com bons resultados de uma experiencia que o meu chefe disse que nem valia a pena tentar, foi muito fixe.

    ResponderEliminar
  10. Cara Luna, eu ia dizer mesmo isso. $31.5 por download! É um dos papers mais caros que vi até hoje... e, ainda por cima, não ia entender nada do que esta lá escrito. Mas amanhã no trabalho eu juro que até imprimo e tudo. Parece-me impressionante, com os gráficos e tal. :) Parabéns!

    ResponderEliminar
  11. Desculpa lá a demora, mas meteu-se uma tarte de abóbora pelo meio.

    O artigo, além de interessante e útil (senhores, a quantidade de artigos que não interessam ao menino Jesus que por aí andam), parece-me bem fundamentado e vê-se que trabalhaste.

    Graçádeus que tens conclusão, até porque a discussão é extensa (talvez um pouco extensa demais, único defeito que tenho a apontar). De resto acho que conseguiste fazer gráficos simplificados para o trabalhão que tiveste, mas isso é bom.

    Opá, parabéns rapariga, não é exactamente a minha área como bem sabes (percebo qualquer coisa do assunto, mas a minha área é a comunitária) por isso não consigo avaliar todo o trabalho que ali está, mas parece-me um trabalho sólido e bem estruturado. E vá lá, que chega a algum lado :D Parabéns!

    ResponderEliminar
  12. TP: qundo o soube online, estava em casa, ou seja, teria de pagar para o ter. Mas está ainda em versão feíssima, ou seja, como o submeti, sem formatação nenhuma. E tendo em conta que o meu chefe - corresponding author - está na austrália e de férias, a versão final pode demorar algum tempo a aparecer. :(

    ResponderEliminar
  13. Parabéns :)
    A minha monografia foi precisamente sobre isso e confesso que "bateu uma saudade" ao ler o paper!

    Muitos parabéns (E peço desculpa mas não acho que seja óbvio. É resultado de muito trabalho, digo eu. Para quem lê, acrescenta algo novo de certeza!)

    ResponderEliminar
  14. Bem, eu já te leio há muitos anos, mesmo antes de teres ido para Leiden e quero-te dar os meus sinceros parabéns. E fizeste bem em pôr o link porque depois de tantos queixumes também tinhamos direito a ver a obra! Tenho acesso ao artigo, só li o abstract mas ainda vou ler o artigo com calma. Mais uma vez parabéns.

    ResponderEliminar
  15. Charlotte: este cabrao deste péptido (que devido ao meu insucesso inicial) foi dado a outros phd students para tentar trabalhar com (e que agora estou a ensinar) é um senhor cabrão dum péptido, e agora que o "domestiquei", querem que ensine tudo a quem contrataram para me substituir. é tão bonito, não é? :)

    ResponderEliminar
  16. Nem 8, nem 80.
    É mau acharmos que qualquer porcaria que escrevermos é suficientemente bom para ser publicado em livro, mas é igualmente mau não reconhecermos que fizemos alguma coisa de bom.

    ResponderEliminar
  17. Bem, ao menos domesticaste *imagina a Luna com um chicote a domar o cabrão do péptido*

    ResponderEliminar
  18. Charlotte: demorei mais de 3 anos a "domesticar" estes péptidos. E quando o consegui, foi com algo que o meu chefe disse que nem valia a pena tentar. E eu por teimosia tentei.

    ResponderEliminar
  19. Mas Charlotte: leste mesmo o paper?

    É que nem o meu pai "loves me enough to do it"

    ResponderEliminar
  20. Li melher, tenho grande treino em papers até 14 páginas :P

    ResponderEliminar
  21. Ou seja, foste a primeira a ler a coisa!
    Epá, isto dá prémio!

    ResponderEliminar
  22. Ena pá, assim sinto-me grande! É a primeira vez que alguém fica contente comigo por ler um artigo, todos os outros foram na base do "não fizeste mais do que a tua obrigação".

    ResponderEliminar
  23. Tens um gráfico com cor!?!?!??!!!!!!! *-*

    ResponderEliminar
  24. Shadow: graphical abstract. aquela coisa que quando uma pessoa vai submeter descobre que tem de fazer e é um "oh fuck, queres ver que ainda vou ter de desenhar?!".

    ResponderEliminar
  25. Por acaso tenho dificuldade em alargar-me neste tema, porque nisto sou exactamente assim. Acho que até consigo ser pior, quase a minha pior inimiga. Olha, ainda bem que nem todos são assim. Por aí.

    Mas o mais importante, que apesar de não ter lido (confesso que tentei ler o abstract), fiquei mesmo orgulhosa de ti. Parabéns!!!

    ResponderEliminar
  26. Este Natal oferece um livrinho que faz bem à imaginação! Visita: Livros a 12 €

    ResponderEliminar
  27. Acho que deves ter muito orgulho nesta conquista. É o cumular de muito trabalho esforçado e honesto, caramba! Claro que não vou ler, que para mim é o mesmo que grego :P mas fico aqui toda orgulhosa também :)

    ResponderEliminar
  28. Os graficos sao cheios de cores!

    ResponderEliminar
  29. Parabéns :) Muitos parabéns, a mim parece-me um excelente artigo (sim abri tudo, embora não entenda muito). E para quem trabalha em ciência ter um paper publicado é sem dúvida um enorme recompensa do nosso trabalho. Eu gostava muito que o meu trabalho de mestrado fosse publicado e não me parece que seja impossível, portanto se o conseguir vou ver que todo o tempo em relação à vida pessoal que perdi valeu mesmo a pena

    ResponderEliminar
  30. Também precisava de mais auto-confiança para estas coisas, por isso entendo-te bem... E amanhã prometo que vou abrir o paper no trabalho, onde não vou pagar o download, mesmo que não perceba um boi de péptidos e afins :P I'll do my best, ok?

    ResponderEliminar
  31. Muitos Parabéns!! Menos modéstias e mais papers ;)
    (Abri o doc e não percebi nem o título; desisti mas acho-te o máximo na mesma)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  32. Momento "oh fuck, queres ver que ainda vou ter de *!".

    *acrescentar uma merda qualquer que nunca vimos em lado nenhum, e não pedem em lado nenhum e ali é MANDATORY! hehehe Lovely!Acontece-me com bullet points e outro com "pratical aplication" --- Já qd só queremos carregar no botão, é um verdadeiro balde de àgua fria!

    ResponderEliminar
  33. Ai, miúda.

    Como sou muito melhor a dar conselhos do que a acatar os meus próprios (Infelizmente, sofro do mesmo problema), faz favor de divulgar ao máximo. Como referiste, foi o resultado de muito trabalho e mereces. Mereces muito mais do que outras coisas que têm espaço de exposição sem qualquer mérito.

    Assim só perdes oportunidades. Blog incluído. Pode não ser um Vitor Hugo mas não podemos ler apenas Vitor Hugo a toda a hora.

    Beijinho e pensa nisso a sério.

    (Palavras de quem já perdeu muitas oportunidades com a questão da exposição.)

    ResponderEliminar
  34. Pff a minha faculdade não tem assinatura do Science Direct, é uma treta. E o jeito que me dava o SD para uma série de artigos de que ando à caça para a minha tese de mestrado? Parece que ainda não é desta que aprendo os teus péptidos *

    ResponderEliminar
  35. Olá! :)

    Não podia deixar de comentar. Penso tal e qual como tu. No entanto, mesmo com ou sem qualidade é fruto do teu trabalho, das tuas ideias, dos teus sonhos..é fruto do que tu és ou de uma parte de ti. Publica - expõe! Foste tu que fizeste, é parte de ti (seja bom ou mau). O que os outros acharão não tem importância!

    Felicidades e muito sucesso!

    ResponderEliminar
  36. Parabéns! Eu tenho 'vpn' no meu computador e acesso aos artigos que a UP compra :) já abri para ver. Está muito giro e, lendo a introdução e as conclusões, parece muito interessante. O resto fica para outra ocasião que tb estou com um relatório gigante em mãos e dezenas de artigos, que tenho mesmo que ler, à espera :(

    ResponderEliminar
  37. Miss Pipeta

    pelo menos já tens a versão "user friendly", espero. A primeira versao dispon+ivel era a da submissão - que como sabes, looks terrible.

    Mas tal como já agradeci antes, agradeço novamente, pq nao espero que pessoas fora da área se dêem ao trabalho de ler, por ser tão específico e às vezes quase hermético para quem nao está dentro do assunto.

    Mas este paper, especialmente, foi de parto difícil, mas é o ponto de partida para o resto - uma vez tendo a base finalmente assente, o resto dos estudos a partir daí tornam-se mais fáceis. (e este já vai ser citado em dois papers ainda antes de ser publicado)

    ResponderEliminar
  38. Por acaso essa é a minha área de formação base. Licenciei-me em Bioquímica. Mas as bio stuff nunca me fascinaram tanto quanto gostaria e saltei para a Química onde fiz Mestrado e agora faço doutoramento. Tb trabalho com NPs, e apesar das nossas serem mais "simples", ou são aquelas básicazinhas esféricas de Au ou se tem alguma nuance é um drama para optimizar as sínteses. Estou há meses a tentar tornar reprodutível a síntese de umas FeNPs magnéticas. As tipas parece que brincam connosco :)
    Mais uma vez Parabéns pelo trabalho.

    ResponderEliminar
  39. Miss Pipeta

    que engraçado também trabalhares em nanopartículas, embora diferentes das minhas.
    Incrível como uma pessoa lê papers e papers, e parece tudo tão "straight forward", e depois uma pessoa tenta reproduzir ou tenta mudar uma coisinha, e é uma carga de trabalhos.
    Como diz o meu chefe: se fosse assim tao simples toda a gente fazia NP...
    Ainda esta semana que passou estive a trabalhar com uma outra PhD que anda a tentar fazer NP com outros polímeros, e dos quatro que testámos com o meu método - que me demorou 3 anos a desenvolver com o meu polímero - só dois resultaram, os outros dois falharam miseravelmente.
    Aliás a grande falha no meu projecto foi assumirem que um método existente de outro PhD para uma determinada proteína seria facilmente adaptável aos péptidos, e passados uns seis meses teria NP optimizadas. NOT.

    ResponderEliminar
  40. Apesar de antigo, acredito que ainda haja algumas coisas aqui que se mantenham atuais. Posto isto: escreve lá a tese, rapariga :)
    Só para te dar uma força. Não sei em que fase estás, mas se estiveres naquela da procrastinação casada com a desmotivação então este comentário é para ti: acaba lá isso :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ceridwen

      já passei por essa fase, bem longa por sinal, mas agora ando na fase de acabar rapidamente, e neste momento tenho 5 capítulos acabados, um vai no 3º rascunho e outro no 1º, faltam-me apenas as conclusões. :)

      Eliminar